Paula Parreira

repórter + esportes + música + Itumbiara + jornal + Goiânia + futebol + mostarda + dorminhoca + tênis + blog + Guilherme + família + óculos + café + fotos + Pateta + O Popular + marshmallow + amigos

domingo, 27 de junho de 2004




No jornal para mais um domingo de trabalho. Vou cobrir o jogo do Goiás contra o São Caetano. Tô no último grau do sono, mas tô animada. Fiz arvorismo ontem e quase morri de medo. Acho que não dou pra esportes nas alturas não... Vou ficar no meio aquático mesmo ou terrestre, porque aí eu me garanto. Assisti a Pelé Eterno. O filme é bom, mas é meio longo. Mas é um documentário ótimo sobre a vida de Pelé. Tem umas coisas de vida pessoal que eu achei paia, mas os jogos, os gols, é tudo muito bom.

Não tenho muito o que escrever hoje, porque nada tem acontecido. Fui pra Maria hoje cedo e nós almoçamos lá. Fofocamos pra caramba e fizemos uma teleconferência com a Patrícia. Ficamos ouvindo música, o que eu não fazia há muito tempo.

quinta-feira, 24 de junho de 2004




Hoje o dia não foi nada bom... No jornal foi uma canseira e aquele lugar me irrita mais a cada dia. Falta tudo: computador, cadeira, telefone, gente que vale a pena, isso daí sabe. Fiquei no último grau da irritação o dia inteiro e fiquei uma chata, pois só reclamei. Briguei com todo mundo. Não saí nem um minutinho da redação, nem pra lanchar, nem pra ir no Vila (não teve treino hoje) e tentando fazer as coisas. Tenho que passar a ter uns momentos relax durante o dia, senão eu "expludo", como diria Maria Cristina.

O dia teve duas coisas boas. Quando eu achava que ia almoçar sozinha no restaurante aqui perto do jornal, eis que surge Karine aqui do DM pra almoçar comigo. Eu até que não me incomodava de almoçar sozinha, nunca tive dessas coisas. Mas ultimamente isso tem me deixado chateadinha. Deve ser carência mesmo. A outra coisa boa foi que eu entrevistei o Guilherme Spinelli, atual campeão do Rally dos Sertões. O cara é show: simpático, inteligente... Já tinha entrevistado o cara e queria fazer isso de novo pra fazer umas coisas diferentes. E acho bom também quando encontro assessoras de imprensa realmente interessadas em te ajudar. A dele é assim e até me convidou pra uma confraternização aqui em Goiânia na semana que vem.

Aliás, semana que vem meu nome é garota cross country. No sábado já vou fazer um negócio aí de Copa Troller e de esportes de aventura. Daí vai ser minha credencial pra ficar cobrindo o negócio na semana que vem. Vou ver isso daí...

Hoje fiquei tristinha, com vontade de chorar o dia inteiro. Minha mãe me mandou mensagem e eu quase chorei. Linda... A Lourdinha hoje tá triste, mas eu tô aqui pra ela desabafar e xingar se quiser. É que ela tá hoje e amanhã em Cidades. Eu sei bem como é o negócio em Cidades, mas não quero conhecer melhor a editoria não. Se Deus quiser...

Por falar nisso, essas angústias profissionais estão me incomodando sabe. Às vezes (quase sempre) eu me pergunto se não estou perdendo tempo escrevendo sobre Esportes. Eu sei que é o que eu quero pra mim, mas é uma editoria meio marginalizada. Fico pensando que não vai me levar a lugar algum, mas eu também não sei ao certo onde eu quero chegar. Sempre tive a convicção de que esporte era tudo o que eu queria fazer no jornalismo, mas agora fico questionando. Eu sei que eu fiz jornalismo pra fazer esporte, e só isso. Sei que se eu não fizer isso, não agüento a profissão. Mas tomara que as angústias passem, que coisas boas aconteçam. A Sarinha sempre me falou que gostava de ver o tanto que trabalhar com esportes me empolgava. É isso o que eu mais gosto de fazer na vida, vou procurar pensar nisso.

Hoje é níver da Pri, minha amiga querida. Tô com saudade dela, mas amanhã a gente vai comemorar. Amanhã é níver da minha tia. Ai, meu Deus! Nem comprei presente. Vou lá almoçar com ela. É isso por hoje e vou ficando por aqui...

E tem gente que eu tô querendo que morra!!!!!!!!!!!

quarta-feira, 23 de junho de 2004




Podem bater palmas para o meu blog (clap, clap,clap) porque ele voltou a ter comentários e deixou de ser um espaço anti-democrático, como diz o Rafael. Lídia, não precisa mais ficar braba comigo tá?!?

A viagem pra Itumbiara foi ótima, pena que fiquei por lá pouco tempo demais. Quando chega o domingo à noite, eu sempre tô na minha avó. Daí é engraçado. Eu vou me despedir e ela sempre fala que eu mal cheguei e já tô indo embora. Ai, dá uma tristezazinha...

Mas tô de volta. E já tô trabalhadno. Ontem cobri o jogo do Vila, que ganhou do Sport por 2 a 1. Foi até massa, mas vai ser duro ficar cobrindo o Vila nesta e na próxima semana porque só tem jogo no dia 2 agora. Ô sofrimento!!

Acabei de ter uma conversinha boa com a Ludmilla. Acho que não compensa a gente ficar remoendo as coisas sabe. E ainda mais coisa que não vale a pena, coisa que não rola mais e um coisa que te decepcionou demais. Não dá pra explicar direito. A única coisa é que eu acabei descobrindo um lado ruim de uma pessoa que eu gostei demais. Já tava meio assim e já não tava mesmo pensando a mesma coisa de tempos atrás. Agora então...

Bola pra frente! Quem vive de passado é museu sabe... E eu quero coisa nova. Tanto que comecei a ler um livro novo. Eu odeio parar de ler um livro na metade, mas o Paul McCartney que me espere por um tempo. Eu tô lendo "Ayrton, o herói revelado", que não é muito bom não mas tá valendo. É muito centrado na vida pessoal do piloto sabe. E eu li o "Senna, o eleito" que fala muito da vida profissional e faz uma análise do ídolo que o Senna se tornou....

Tem gente me esperando e vou indo...

sábado, 19 de junho de 2004




Já viu o tanto que o jeito que as pessoas te cumprimentam diz muito sobre elas e sobre o quanto elas te conhecem??

- Alô fia! Tá boa Mila? / - Ô sua fia da p... Ainda tá viva?

- Oi Wildes! / - Oi. Essa é a menina do amarelo...

- Oi J.! / - Oi linda...

- Oi Lourdes! / - Oiiiii, filhinha...

- Oi Gabrielinha! / - Oie Paulinha!

- Oi Marica! / - Eeeeeeee Pin / - Yeap / - Grierrrrr...

- Oi Lídia! / - Oi Paula!

- Alô! Oi tia Célia! / - Oi meu anjo...

- E aí Fernandinho! / - Oi gatinha.

- Oi Wiltu... / - E aí galega!

- Déiaaaa! / - Ô lindinha...

Fiquei pensando nisso daí hoje de manhã quando estava no ônibus vindo pra Itumbiara e fiquei pensando em mais um monte de coisas sem noção também...

Nesses últimos dias eu trabalhei demais, chorei muito, deixei de fazer três matérias especiais lá no jornal, perdi o show do Vícios da Era, perdi uma blusa de frio, peguei meu diploma, arrumei um cunhado (a Maria arrumou pra mim né), comprei sapatos e dvd, ouvi música, comprei disco pro meu pai, comi pizza, li seis páginas do meu livro interminável (isso mesmo, ainda estou lendo a biografia do Paul McCartney; tô na metade; hehehe), brinquei muito de orkut, conversei com gente que não via há tempos e outras coisas também. Quinta e sexta foram os dias do último grau do sozinha e do mau-humor. Detesto ficar assim, porque odeio essas baboseiras de ficar assim. Acho que eu tenho mais com o que me preocupar. Assim como eu odeio ficar apaixonada. Quer coisa mais "o cúmulo da falta do que fazer" do que ficar apaixonada? Não tem... Esse tipo de coisa acaba tomando conta da vida da gente, incrível. Daí você só fica pensando na pessoa, tudo o que faz lembra da pessoa, chega em casa e fica ouvindo música melosa... E isso te desconcentra pra caramba. Não dá pra trabalhar sem parar umas horas para pensar... na pessoa. Ás vezes quando eu páro, nem sei há quanto tempo eu tô desligada do mundo sem poder me concentrar por causa... da pessoa.

Ai, ontem eu ouvi uma música dos Los Hermanos que me fez suspirar... "E o olhar que eu guardo na lembrança; Ainda traz a esperança; De te ter ao meu ladinho; Numa próxima estação..." Ai que lindinho...

A trilha sonora dos últimos dias não tá prestando... "Amor da minha vida, daqui até a eternidade, nossos caminhos foram traçados na maternidade..." (em homenagem ao filme do Cazuza, que eu ainda não vi, e nem sei se vou ver). "Pra não tocá-lo, melhor nem vê-lo, como é que você pôde se perder de mim", dos Paralamas (com as mundanças óbvias de gênero)... E finalizo com "Estranho seria se eu não me apaixonasse por você"...

quarta-feira, 16 de junho de 2004

Tá quase chegando meu final de semana de folga e eu estou contando os minutos. Ainda não sei se vou pra Itumbs, mas tô com vontade. Só acho que vai ser muito cansativo. Vou ter que ir no sábado e voltar na segunda de manhã. O que me motiva a ir é saber que se deixar passar, só vou poder ir depois de quinze dias. Ai, dúvida!!!

Sexta-feira tem lançamento do cd do Vícios da Era. Eu gostava deles mas agora nem conheço o trabalho direito. Tô pensando em ir lá conferir. Foi a Lourdes que me chamou, e aí eu dei uma animada. Chamei a Maria e vamos ver se a Pat Carol quer ir. E aí, PAT? Anima???

Nesses últimos dias meu nome é desânimo e eu ainda tenho umas três matérias especiais que eu tô enrolando. Isso que dá! Pedir pra fazer matéria e depois ficar aí atolada. Mas vou conseguir. É só sentar com paciência e passar uma tarde inteira no telefone. O problema também é o jornal que não permite que a gente faça isso.

Tô tentando colocar comentário no meu blog, mas tá difícil... Eu sou burra demais pra blog e não consigo mexer no bichinho... Alguém manda uma luz pra eu conseguir colocar o negócio.. A Lídia já tá impaciente...

sábado, 12 de junho de 2004

"E assim quando mais tarde me procure,
Quem sabe a morte, angústia de quem vive,
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor que tive
Que não seja imortal, posto que é chama,
Mas que seja infinito enquanto dure"

Esse trechinho do meu amor Vinícius de Moraes é para os apaixonados de plantão, porque este é um post de uma garota sem-namorado no Dia dos Namorados. Dor-de-cotovelo à parte, tá bom!?!?! Acho que ainda não estou mal-humorada por causa da fatídica data, mas daqui pro final do dia devo ficar. Ainda mais porque estou trabalhando e tem jogo do Vila no Serra. Logo nos dias que minha mãe tá aqui. Daí eu chego em casa tarde, durmo, acordo tarde e já tenho que ir pro jornal. Nem dá tempo de ficar no colinho da mamãe...

Arrumei meu quarto com a ajuda dela. Ainda bem, porque minhas amigas vão almoçar lá em casa amanhã e iam achar que eu sou bicho-do-mato. Meus tios também vieram pra cá na quinta-feira (feriado), mas eles já vão embora hoje. Ontem falei com Marica, que está no Paraná e fofoquei um pouquinho. Reclamamos da vida juntas... Da minha vida, porque a dela tá ótima.... Hehehe.. Ela vai rir disso aqui!

Ontem comprei presente do Dia dos Namorados pra mim mesma: dois DVDs. Um é o novo do Rappa e o outro é do Belle and Sebastian. Os dois são bons e estão salvando a minha vida. Não tenho feito nada, só visto show em DVD. Meu pai mandou uns shows do Led Zeppelin pra eu ver. Eu não gosto muito não e já tinha visto o disco, mas agora vi com mais atenção. Tem shows das décadas de 60 e 70. E ontem eu fui perceber a diferença que a maturidade faz com uma banda sabe. Eu não saco nada de Led Zeppelin, mas o show mais recente que tem no dvd é de 1979 e mostra os caras com mais presença de palco, mais maduros, soltos. O Jimmy Page toca olhando pro povo, sorrindo, mais seguro parece. Dá pra ver a maturidade na cara deles né, porque estão mais velhos, mas a voz do Plant também está mais grave, melhor, com mais presença mesmo. Gostei pra caramba desse show, que é apenas um do DVD. Muito bom...

Hoje assisti o jogo do Brasil contra a Espanha na Liga Mundial de vôlei. Legal o jogo e o Brasil ganhou por 3 a 1, mas o time tá muito mal e falta muito ainda pra chegar no nível de qualidade que apresentou no ano passado, quando ganhou tudo... Tava até querendo viajar pra ver algum jogo da Liga, mas se os adversários já não compensavam, o Brasil também não está valendo muito. Só se eu animasse demais, mas acho que vou não.

Pirei agora! Tem gente nesse mundo que sabe quantas horas você gasta assistindo uma temporada de Sex and the City... 32 horas... Você sabia?? Uma amiga minha me contou... Hhahahah...

Ontem não teve jogo do Ajax. A partida foi cancelada porque o Flamengo entrou com um mandado de segurança por conta daquela bagunça do quarto jogo. Aguardo os próximo capítulos da novela... Enquanto isso, o Unit já é um dos finalistas. E eu já tô programando pra ir lá em Uberlândia assistir um ou dois jogos...

quinta-feira, 10 de junho de 2004






Trabalhei no feriado mas já tô indo embora. Escrevi míseras 20 linhas sobre o Vila e umas 10 serão cortadas... Tudo bem, porque hoje minha mamãe chegou. Vai ficar aqui até domingo e eu tô achando o máximo. Amanhã tem jogo do Ajax e a gente vai assistir lá no Leandro. Tô ansiosa, depois daquela fuzarca que foi o jogo aqui. Bom demais, eu quero é ver o oco!! Ou melhor, agora tem que entrar no ritmo do Rappa, nada de Raimundos. "Meu troco é pouco, é quase nada...". Tem show aqui, ainda não sei se amanhã ou sábado. Ainda não sei se eu vou também. Tava querendo... Tô começando a curtir o meu orkut. Tem umas pessoas ainda que eu quero convidar. A Pat Carol foi a última que me acrescentou. Final de semana vai ser longo, vou trabalhar. Jogo do Vila no sábado e redação no domingo. Maria Cristina tá viajando e vai chegar contando um monte de histórias e ainda com um monte de histórias pra fazer acontecer aqui em Goiânia. Saudade miguinha!!!!

quarta-feira, 9 de junho de 2004

Chegou o que todos esperavam com um pouquinho de atraso: o post do FICA. Quase que o FICA virou livro: "Crônicas de um FICA derrotado" (parafraseando Gabriel Garcia Marquez), só com as histórias que rolarma no festival. Tem muita história pra contar e, ao contrário do que o título do suposto livro possa sugerir, aconteceu muita coisa boa. É que teve tanta derrota que a gente ficava o tempo todo dizendo que ia escrever o livro. No fim de tudo, é lógico que valeu a pena e a gente (eu, Marica - que vai escrever no blog dela -, e Pat - a sem blog) está aqui pra contar.

Pat, Mary e eu FICAmos... Aconteceu muita coisa boa, mas muita coisa ruim também rolou. A gente passou muita raiva. É ingresso de festa que não teve, a velhinha da pensão fazendo a gente pagar a mais pra ela, o frio que a gente passou, o tanto que eu e Marica sofremos com cólica, minha dor-de-cotovelo do último dia (porque eu não sou de fugir da raia e assumo a dor-de-cotovelo viu...)... Mas as coisas legais compensaram, e como: forró no Morro do Macaco Molhado, o gatinho que eu beijei lá, bloco do Coró de Pau no sábado, batucada no domingo, o Felipe e os meninos ganhando o prêmio, o show do Jorge Benjor, o picolé de cajazinho, o povo que a gente encontrou, tudo o que a gente comeu, o nascer do sol na Santa Bárbara (acompanhada!)...

Parece que foram três dias (para as meninas foram quatro dias) em outro mundo, outra órbita, e agora a gente volta à realidade, sabe! Eu cheguei em Goiás na sexta à noite. Foi o prazo de tomar um banho e ir pra rua. O melhor foi o show da banda Zabumba Beach. Deu pra dançar forró legal lá na Praça do Chafariz, com direito a muito Luiz Gonzaga. Aliás, dançar forró foi o que eu mais fiz no FICA. Tinha que entrar no clima, né... Na sexta também foi o dia que a gente mais andou à procura do que fazer, porque não rolou de ir no show do Maskavo.

Acordamos cedo no sábado para ir na premiação. And the Oscar góes to... Luiz Felipe, Francila e Joanatha. Tudo de bom, deu vontade de chorar. Os meninos mereceram pra caramba o prêmio do júri popular. Muito bacana o reconhecimento do público que assistiu. Pena que eu não vi o filme. Aliás, eu tentei pra caramba assistir filme em Goiás no sábado e no domingo, mas as sessões estavam lotadas. Queria ter visto o documentário sobre Paulinho da Viola ?Meu tempo é hoje? e a sessão dos vencedores.

Sábado à tarde a cidade parou para ver o Coró de Pau passar. Bem, eu não parei e saí atrás do bloco junto com a Pat e a Marica. Outra coisa boa foi a batucada de música baiana no domingo. A mesma banda de percussão que tocou ano passado estava lá e é claro que eu e Marica não perdemos.

Depois da irritação com a festa da Nação Zumbi, que não teve, qualquer coisa seria lucro. Mas a recompensa veio com juros e correção com a noite no Morro. Saímos de lá às seis da matina esgotadas. O impagável foi um gay ?dançador? que dançava forró pra caramba e ficou ensinando a gente. Eu preferi dançar com outra pessoa, mas foi muito legal, o cara era figura! Nada de dormir depois do Morro e fomos ver o sol nascer na Igreja Santa Bárbara: eu, Gustavo, Marco Túlio, Maria, Pat e Cristina. Bom demais, mas estava frio pra caramba...

O último dia na cidade foi bom, mas não teve nada de mais. A Polly chegou e foi muito legal encontrá-la, daí a gente almoçou junto. Eu estava especialmente lesada, no último grau do sono, não estava nem conseguindo conversar direito. Mas deu pra aproveitar a batucada em frente ao bar do Lelê.

?Salve, simpatia!?. À noite a grande atração do FICA: show do Jorge Benjor. Quem apareceu para o show foi uma turma inusitada: Filemon, Felipe, Lucimeire, Saulo e uma prima da Lucimeire. Achei legal! O show foi ótimo, mas eu quase morri de dor-de-cotovelo. Só que, como a gente também já esperava, não fugiu daquilo: ?Ela já não gosta mais de mim, mas eu gosto dela mesmo assim. Que pena! Que pena!?, ?Olha aí meu bem, prudência e dinheiro no bolso, canja de galinha não faz mal a ninguém?, ?Foi um gol de anjo, um verdadeiro gol de placa, que a magnética agradecida se encantava?... Fim de FICA e volta pra Goiânia. Pra Goiás, até 2005!!!! Para a Patrícia e a Maria, a saudação do FICA: AH NEEEEEEEEMMMMMMMMM!!!!!!!!!!!!!!

sexta-feira, 4 de junho de 2004






Estou indo pra Goiás e tchau pra quem fica!!! Só não estou muito feliz. Ontem meu pai brigou comigo e a Maria também. Que falta de paciência desse povo! Mas não fiquei bem e fui dormir chorando, até pensando em deixar de ir pra Goiás... Mas é lógico que isso é manha e eu acordei animadíssima... Ainda mais que lá no Vila deu tudo certo, não tinha nada lá e eu vou fazer uma matéria com um cara que vai chegar pra jogar no time...

Meu irmãozinho vai passar aqui pra me levar na rodoviária. Na bagagem filtro solar, biquini, chinelo e muita animação para o show da Nação Zumbi. Só falta o ingresso, que a Marica não tá encontrando em Goiás, mas a gente se vira. Ainda mais que eu peguei o telefone da Giseli (o namorado dela está organizando a parada)...

Hoje falei com o Leo Razuk... Fazia tempo que não nos falávamos pelo messenger. Ele falou que encontrou a Mila, que eu tô morrendo de saudade. Ele encontra a garota mais do que certamente... Hehehe... Mila, te adoro e vou te ligar...

Só não fico muito satisfeita quando coisa fúteis tomam conta do meu pensamento como agora e eu não consigo me preocupar com mais nada. Não pensem que é a viagem pra Goiás, porque eu não considero a viagem uma coisa fútil. É uma ooooouuuuttttrrraaa coisa... Abraços e aguardem o post sobre Goiás...

quarta-feira, 2 de junho de 2004






Comprei minha passagem pra Goiás.. Aiai... Bem na hora que eu estava lá comprando minha modesta passagem das 20 horas de sexta-feira, chegou uma mulher querendo uma para aquele mesmo dia, ou melhor, para aquela mesma hora: 12 horas. Vê se pode... Quase morri...

Nem acredito que a mãe Rafaella e o Fael comentaram meu blog... Pode deixar mãe Rafaella... Agora você sabe que eu sou uma filhinha responsável, e eu cuido da Mariquitas... Mas como você se sente velha pra ir nessas coisas, SOLAMENTO!!!!! Hehehe... Tchau pra quem fica, que a gente vai pro FICA!!! Não, e babem. Hoje (só hoje, olha o tanto que eu sou desinformada) fiquei sabendo que a Nação Zumbi vai tocar no Fica. Vê se pode! Tô começando a achar que apesar de ir só na sexta, tá tudo conspirando a meu favor...

Mãe Rafaella, chuva no Serra ninguém merece. Nem o pior dos meus inimigos. A gente congela lá embaixo e se fantasia de pintinho molhado mesmo. É trash pra caramba. Mas tem que passar por essas e outras. Que venham outros jogos com chuva... Ainda mais agora que eu trabalho em jornal e fico lá em cima sem molhar nadica... Hahaha... Mas eu molhei um pouquinho sim. Até lá em cima tava molhando.

Tenho gostado das rádios FM daqui de Goiânia sabe. Já é a segunda vez que eu escuto uma banda que eu gosto pra caramba: o Bossacucanova. Achava que ninguém conhecia os caras e agora tenho ouvido as músicas deles na Executiva. É a banda do filho do Roberto Menescal, Márcio Menescal. Eles tocam Bossa com eletrônica, com nova roupagem, novos arranjos, é muito legal. E não é uma mistura grosseira como é às vezes a a Fernanda Porto sabe... Uma vez entrevistei um dos integrantes, o Alex Moreira e ele foi muito bacana. Tenho os dois discos deles (que eu gravei da internet; ai, que vergonha)...

Então é isso. Tá bom por hoje. Vou trabalhar.

terça-feira, 1 de junho de 2004






Mais um joguinho do Vila, mais um dia de trabalhinho à noite. Tudo bem, o problema é na hora de ir embora, mas é melhor trabalhar à noite, porque não tem aquele povão no jornal. Cheguei mais cedo e escrevi uma matéria fria do Vila...

Tô com vontade de comer no McDonald´s... Viciei.. Comi lá ontem e tô querendo comer lá todo dia. Vou comer amanhã, porque (adivinhem?) vou comprar minha passagem pra ir pra Goiás na sexta-feira. EBA!!!

Hoje fui lá solicitar meu registro profissional. Preferi não me sindicalizar, sei lá porque. Por achar que isso não me trará benefício algum, mas fico com peso por não estar pensando na minha categoria, toda essa lenga-lenga que colocam na nossa cabeça na universidade. Mas depois eu penso se me sindicalizo ou não..

Aiai.. Saúde pra mim. Tô espirrando o dia inteiro e sentindo também uma dorzinha de cabeça. E ainda tá o mó frio aqui no jornal. Nem... Ah, ontem imitei a Ludmilla e comprei dois cds do Fatboy Slim no Bretas. Ela disse que comprou de R$ 10, mas eu ainda comprei por R$ 8,90. Fala sério, cd tinha que custar esse preço o tempo todo. Achei os dois cds legais, mas ainda tenho que ouvir direito.

Ontem também encontrei a Déia, com quem eu trabalhei no Tribuna. Legal...