Paula Parreira

repórter + esportes + música + Itumbiara + jornal + Goiânia + futebol + mostarda + dorminhoca + tênis + blog + Guilherme + família + óculos + café + fotos + Pateta + O Popular + marshmallow + amigos

sábado, 31 de julho de 2004




Outro dia o Carmelo aqui do jornal (que eu chamo de Carmelito ou Carmelo Anthony) disse que eu parecia uma deusa grega. Depois ele foi mais específico: disse que eu parecia Atenas, que na real é Atená né... Adorei e fui saber mais sobre a tal da Atená, que a Maria Cristina disse que é a deusa da justiça. Eu não sabia que a Mariquinha sabia essas coisas de mitologia grega e deusas e tal. Eu que não sei nada, recorri lógico ao google. Atená também é guardiã da sabedoria e representa a inteligência e a criatividade feminina. Parece que Atená tem o nome de Minerva para os romanos e ela também é a protetora da cidade de Atenas. Achei o máximo, porque isso quer dizer que, segundo o Carmelo, eu sou a protetora dos Jogos Olímpicos deste ano. Fala a verdade...

Por falar em Jogos Olímpicos, lá em casa agora tem tv a cabo. Melhor hora impossível porque eu quero ficar o dia inteiro vendo as Olimpíadas. Bom demais... Matérias mesmo acho que não farei nenhumazinha, porque tô cobrindo o Goiás. Mas também acho que ninguém vai fazer nada porque pega tudo de agência mesmo. Só vou acompanhar mesmo!!!

Hoje tem uma festinha lá no terraço do Bênia. Nem ando muito animada, mas acho que vai ser legal. O foda mesmo é que eu vou ter que trabalhar amanhã no jogo Goiás x Paraná. Ninguém merece! Mas também não vou deixar de sair por causa do Diário, senão eu acabo não encontrando meus amigos nunca.

Olha só meu horóscopo de hoje: "Se você lutou por sua reputação, de hoje a sábado terá tempo de rever métodos. Filhos e amor preocupam". Detalhe: hoje é sábado.

quinta-feira, 29 de julho de 2004




Será que já é hora? Ele já vai voltar? Às vezes fico pensando que é bom não ter feito parte de sua vida esse tempo todo. Não é comodismo, é o que eu sempre digo: auto-preservação. As palavras que estão no ar: reencontro, ilusão, esperança, decepção, pena, volta, distância, problemas, fim, irritação, falta de conversa, resolução...

Meu nome é trabalho. Vou trabalhar dois finais de semana seguidos sem parar, e tudo isso cobrindo o tosquinho do Goiás. Mas agora estou me acostumando e tudo está como estava quando eu cobria o Vila, normal. Tem umas matéiras ruins de vez em quando, mas tudo bem né...

Minha amiga Maria Cristina voltou de férias e vai fazer teste no Diário. A Gabriela também voltou, mas ela não gosta que fala que ela voltou de férias, porque ela fala que estava trabalhando... Tô sentindo falta do meu pai, que vem no Dia dos Pais. Não vou ser uma filhinha abandonada no Dia dos Pais.

terça-feira, 20 de julho de 2004




É mesmo! Hoje é dia do amigo. Quero então, na volta a esse blog abandonado, dizer que amo pra caramba meus amigos. Amigos de hoje, de ontem, de amanhã, que eu não falo há tempos, com os que eu às vezes brigo, e depois faço as pazes, aqueles que estão longe, os que estão perto, os que não estão mais, os esmeraldinos, os vilanovenses e os sem-time. Abraços especiais para Camila, Pri e Ju, minhas melhores amigas da faculdade que hoje seguem a vida, no jornalismo ou fora dele. Beijo para a Mariquinha, que é minha amiga do coração. Pra Pat Carol, minha "miga". Pra Lourdes, Lídia e Gabi, de quem eu fiquei amiga no jornal e que me ajudaram e ajudam pra caramba lá. Pro Gérson, meu amigo dos tempos do segundo grau. Pra Jô, minha super amiga que hoje mora longe e com quem eu convivi na adolescência. Pra Carlinha, Claudinha, Alessa, Pat, Reuller, Rodrigo Japa e todo mundo com quem eu dividi as piscinas por tanto e tanto tempo e que são responsáveis talvez pela melhor época da minha vida. Meus amiguinhos de rádio e faculdade: Rafaella (que além de ser amiga, é mãe), Rafael, Renato, Bênia, Du, Fagner, Felipe, Leandro, Júlio, Polly, Sarinha e todo mundo que eu conheci nesses lugares. Tenho certeza que esqueci muita gente que é importante pra mim, mas eu amo todos de todo jeito. Beijos pra vocês, amiguinhos!!!

Nossa, faz tanto tempo que eu não escrevo aqui, que nem lembro o que aconteceu. Sei que a gente comemorou o níver da Lourdinha, que eu trabalhei demais, que fui pra Itumbiara e já voltei, que meu irmão também foi pra Itumbiara e voltou, que eu ouvi muita música, que a Maria foi pra Rio Verde, que eu já tô precisando ter uma DR, que minha mãe Rafaella brigou comigo e que eu já estou cansada de novo depois de um final de semana de folga. Pintou uma chance de voltar pra Itumbiara no final de semana que vem de novo. Vamos ver se dá certo!

sábado, 10 de julho de 2004




Resolvi atualizar aqui rapidinho, porque estou no jornal e hoje tem muita coisa pra fazer. A intenção de ir no Goiânia Eletronic Festival foi por água abaixo, mas minha irmãzinha Marica me contou tudo e ficou suuuuper empolgada. Ontem falei com papai e mamãe (bem, eu falo com eles todos os dias mesmo). Foi ruim... É que meu irmão foi pra Itumbs hoje e eu não pude por causa do DMerda. Ai, dá vontade de cair morta...

O orkut, que já era uma febre, tá mais popular ainda. A Maria Cristina, que antes tinha uma certa resistência ao negócio, tá adorando e convidou um monte de gente. Eu tenho brincado muito de orkut e tô aprendendo pra caramba, por incrível que pareça. Tô gostando mais da minha comunidade de Bossa Nova. É uma pena não poder participar mais. Isso tá dando vontade de levar pra frente meu projetinho. Mas ando sem tempo, sem dinheiro (acho que vou gastar uma graninha no começo), sem acreditar no potencial do programa e sem acreditar que alguém possa acreditar nele. Mas ele é lindo e tá me dando uma saudade louca. Cantinho, não vou te abandonar, viu meu lindo!

Hoje tem jogo do Goiás contra o Paysandu. Que beleza! Vou fazer a paradinha pro Lance também e espero que esse povo deposite a mísera quantia que eles falam que pagam na minha conta, que tá precisando de doações. Aliás, quem quiser doar pra mim um ingressinho do Go Music, tô aceitando viu... Quero ir mais que tudo nos shows do Rappa, Los Hermanos, Jota Quest (não fica imaginando coisa viu Lidinha?) e quero ver alguns DJs, já que não fui no GEF.

Ontem achei um cd lá em casa, que sempre que eu procuro tá em Itumbs. Dessa vez eu trouxe. Ele tem tudo: Norah Jones, Los Hermanos, Sixpence, Radiohead (que eu quase não ouço, é verdade), Placebo (que eu nem sabia que tinha) e outras coisas. Fiquei ouvindo hoje depois de praticamente madrugar às 8h30. E olha que ontem eu fiquei assistindo filme até tarde. Vi Escola de Rock e O sorriso de Monalisa. Os dois são bons... Mas a dormida às duas da manhã me deixou com sono agora...

quinta-feira, 8 de julho de 2004




As inquietações acabaram. A Wanessa vai voltar para Sorocaba e a idéia de morarmos juntas (ela, Gabi e eu) foi pro brejo. Tudo bem, até porque minha mãe nem queria colaborar mesmo. Obrigada pelo comentário Mãe Rafaella e eu estou com saudade de você...

Hoje vou numa exposição do Ricardo (não é dele; ele terá alguns trabalhos expostos). Ainda não sei se vou no GEF. Até estava querendo ir, mas vou trabalhar no fim de semana inteiro e não sei se vou aguentar. Mas a gente se comunica, viu Marica e Ludmalla?!?

No Diário as coisas vão de mal a pior. Desmotivação, matérias ruins e nada muito importante acontecendo. A Lourdes estava meio decepcionada, querendo dar uma guinada na vida, mas está animada e fazendo as coisas direito. Eu estou meio no marasmo. Agora estou cobrindo o Goiás e ontem foi meu primeiro dia lá na Serrinha. Acho que vai ser a coisa mais difícil do mundo. E logo no primeiro dia lá levei um furo monstruoso. O Dimba chegou e eu só dei uma notinha dizendo que a diretoria aguardava o cara até amanhã. Mas é bom eu ir me acostumando. Daqui pra frente muitos outros furos virão. E o foda é que tudo isso é tráfico de influências sabe. É foda estar lá e não ter acesso às coisas.

Minha mãe vai estar aqui no fim de semana. Isso mesmo: minha mãe Dolores. Realmente eu e a Mariquinha vamos passar bem.

terça-feira, 6 de julho de 2004




Ai, que demora na atualização né... Falta de tempo e, às vezes, de vontade. Tem realmente acontecido muita coisa nesses últimos dias, mas eu não tenho parado para escrever aqui. Agora, por exemplo, estou ouvindo o jogo do Goiás contra o Fluminense para fazer matéria. Ai, fiquei até com vergonha agora da jornalista que eu sou. O jogo é aqui e eu estou ouvindo pelo rádio. O negócio é o seguinte: eu ia no jogo e faria também entrevistas no final do jogo para o Lance, mas o jogo era muito tarde e o Tião já quis que eu fizesse daqui para andar mais rápido. Se eu fosse para o Serra, ia demorar pra caramba. Ainda mais porque eu teria que ficar lá depois do fotógrafo para fazer as tais entrevistas. De qualquer maneira eu ia no jogo. Cheguei lá no transporte do DM e não tinha carro pra me levar. Daí desanimei... Fala sério! O Tião me garantiu que não vou perder nada fazendo pelo rádio o negócio do Lance. Então já estou adiantando o texto aqui e quando o jogo acabar, minha matéria já vai poder ser fechada.

Bem... Fiquei o final de semana inteiro de folga, mas não parei um minutinho. Fui na rádio sábado pra ver o povo e falar com a Marica. Cheguei e a Gabriela me ligou pra passar lá em casa e pegar o cartão do banco dela. Daí pra eu ir junto com ela pro churrasco do Pablo faltava só um convite né. Fui então pro churrasco do Pablo. Desconfiada de que não seria bom, me surpreendi. Tinha muita gente do jornal e eu achei bom até. De lá fomos no Marin Cererê encontrar o resto do povo: Lourdes, Leo, Ricardo e Gustavo. Daí fui comer pizza e fechamos a noite num barzinho aqui perto de casa. Muito bom...

Dormi até tarde no domingo e fui pro Flamboyant com a Marica. Comprei sapato, cd e roupa. Voltei pra casa dela e falei com Ricardo. A gente tinha combinado de fazer alguma coisa. Daí saímos só a gente e foi bom pra passar um tempo só nós dois. Boa conversa e tudo o mais.

Ontem volta à rotina. Jornal, almoço em restaurante e matéria para esporte. Comecei uma matéria nada a ver, que já estou terminando. E mais tarde fui dormir na Mariquinha, depois de ir comer com o Ricardo lá perto. A vida tá boa, mas umas indefinições estão me inquietando.

sábado, 3 de julho de 2004




O show da Nação Zumbi foi tudo de bom. Mas são só as músicas velhas mesmo: "Da lama ao caos, do caos à lama", "Tomar banho de lama quando maré encher", "Tô enfiado na lama", e por aí vai... Mas gostei demais do show. E mais ainda da companhia... A única coisa ruim foi o tanto que o show demorou pra começar. Encontrei a Camila, que tava lá com o Arturzim, a Rê e o Marcel.

Hoje tô de folga e daqui a pouquinho vou lá no parque aquático. Meus amiguinhos de Itumbiara devem estar por aí para o Campeonato Goiano de Inverno de Natação. Rever amigos e reviver os bons tempos de aspirante a nadadora...

A Marica voltou do Rio de Janeiro cheia de histórias pra contar e aos poucos eu vou sabendo de tudo que rolou. Ainda bem que ela voltou pra me emprestar dinheiro... Porque vou falar sério agora... O assessor do Felipão estava certo ao perguntar em que país eu vivo. Eu não sabia que os caixas eletrônicos não fucionavam depois das 22 horas. Daí pedi socorro pra minha irmãzinha.

Aliás, essa história do Felipão foi a derrota de ontem. Liguei lá em Portugal pro assessor dele, que foi super grosso comigo e não rolou uma entrevista exclusiva. Muita pretensão querer exclusiva também né?!? Daí liguei pro Geraldinho, que arrumou a entrevista que eu fiz uma vez com o Felipão lá na casa dele. Ele falou pra ficar em contato com ele pra gente fazer de novo.

Tô pensando em mudar de casa e ir morar com a Gabriela e a Wanessa. Minha mãe não vai deixar, mas é mais por comodidade mesmo. Elas vão morar pertinho do jornal e acho que seria uma experiência boa. Eu tenho medo de perder um pouco do sossego e do conforto, de arrepender depois... Vou ver e vou falar com mamãe pra ver se ela concorda. Sei que ela vai encrencar. E meu pai também. Eles acham que é capricho. E também tenho medo de ficar sem dinheiro, por isso queria que minha mãe ajudasse.

A música do dia...
"E no meio de tanta gente eu encontrei você
Entre tanta gente chata sem nenhuma graça, você veio"

sexta-feira, 2 de julho de 2004




Acabou o Rally dos Sertões. Só pra mim, claro, já que todo mundo seguiu junto até Fortaleza, onde o rali vai terminar mesmo. Cobri o evento, muito toscamente diga-se de passagem. Algumas matérias ficaram até boas. De outras eu não gostei de jeito nenhum. É difícil pra caramba cobrir um evento desse tamanho. Você acaba não tendo controle de tudo que está acontecendo. Mas fica de lição para o próximo. Nem sei se vai ter próximo, porque comi muita poeira e fritei debaixo daquele sol de rachar. Mas conheci muita, mas muita mesmo, gente bacana. O povo da assessoria do evento e da assessoria das equipes. Só não vi o show do Cidade Negra porque tive que voltar pro jornal e escrever matéria.

Ontem ainda fui na praça universitária com Gabriela, Ricardo e Leandro. Tinha show do Lobão, mas eu quis saber mesmo foi de comer. Lanchamos e fomos embora. Hoje tem show da Nação Zumbi (será que tem mesmo?) e eu tô mó afim de ir, mas não sei se vai rolar.

Nesta semana eu fiz a inscrição pro concurso da Embratel, me decepcionei com uma pessoa e me encantei com outra, quase não falei com a Maria Cristina e com minha mãe e outras coisas que eu nem lembro mais. Só sei que tô de folga neste fim de semana. Dessa vez eu nem tô muito animada sabe. Já tô pensando nos quinze dias direto que eu tenho que trabalhar depois. Vou tentar arrumar meu quarto, tirar uma hora pra ir no shopping, ir na minha tia e alugar dvd.

Também tô morta de vontade de ver Camila, minha miguinha. Falei com ela na quinta e ela tava meio tristinha. A gente não conversa faz um tempão e não sobra tempo nem animação pra combinar nada. Saudade...

Saudade também do coração quieto, porque essa inquietação me irrita.