Paula Parreira

repórter + esportes + música + Itumbiara + jornal + Goiânia + futebol + mostarda + dorminhoca + tênis + blog + Guilherme + família + óculos + café + fotos + Pateta + O Popular + marshmallow + amigos

sexta-feira, 24 de dezembro de 2004

Feliz Natal pra todo mundo que passa por aqui. Nesses últimos dias li muita mensagem de Natal e fiquei sensibilizada. Também pudera! Todo colunista de jornal escreve sobre a fatídica data e estou em família. Nada melhor... Estou em Itumbiara para o feriado, mas vou voltar pra Goiânia na segunda-feira pra trabalhar. E no Reveillon vou ter que trabalhar também. Então, é o seguinte: aproveita agora, porque nem tão cedo essa coisa boa de ficar de folga vai se repetir. Este é mais um post da série "Minhas aventuras na incrível vida de Paula Parreira". Paula Parreira que, coincidentemente, sou eu...

* Ronaldinho e Falcão foram eleitos os melhores do mundo.

* Recebi cartão de Natal e Ano Novo.

* O Itumbiara contratou um técnico (é a caminhada rumo ao título).

* Saiu, mais uma vez como me informou a Mariana, notícia de que o Placebo vai fazer show no Brasil em março.

* Inspirada na tal notícia (que foi o Lúcio Ribeiro, da Folha, quem soltou), revi o dvd deles, que é um show na França.

* Um velho amigo me achou no orkut e me mandou mail e me ligou. É pra isso que o orkut serve. Entre outras coisas, aproximar as pessoas (já reparou que ninguém mais fala em conspiração?).

* Não sei porque insisto em deixar minhas agendas no jornal... Sempre preciso delas em casa.

* No livro que eu estou lendo, o Telê Santana se prepara para conquistar o bi da Libertadores e do Mundial Interclubes pelo São Paulo. Estamos em 1993 e o Telê já jogou no Fluminense; já treinou o Atlético-MG (e foi campeão do 1º Brasileirão em 1971 pelo Galo), o Flu, o Fla, o Palmeiras, o Grêmio, o Botafogo e outros que eu nem me lembro mais; já perdeu a Copa de 82 com aquele timão; o Zico já perdeu o fatídico pênalti em 86, e depois o Júlio César perdeu outro; o Telê já brigou com o Farah; já foi pra Arábia e já voltou... Já apareceu todo mundo no livro também, até mesmo o Jayro Rodrigues (que eu não conheço, mas tenho vontade de conhecer) com um papel fundamental. Fiquei pensando numa coisa: no Vítor, lateral que jogou aqui no Vila neste ano. O cara já foi campeão da Libertadores com o São Paulo de Telê em 93 e marcou um gol de falta na final. E aí, em decadência total, vem jogar aqui no Vila no fim da carreira, por um baixo salário e com lesões crônicas. Pensa no tanto de coisas que esse cara tem pra contar? No tanto de glórias que já teve? Ele já jogou no Real Madrid. Deprimente? Não sei, mas é que o o futebol é assim mesmo né... O Raí e o Leonardo são seus contemporâneos no São Paulo. Será que a questão é cultural, de educação, de oportunidade? Pode ser...

* Depois de me esbaldar em Caldas ao som do tal do "Lirihisha" (confesso: lá em Caldas, depois de tomar umas e outras, me diverti pra caramba e cai na tal da dancinha), eis que cai no meu colo uma entrevista com a Cláudia Leite, do Babado Novo. Vou avisando que eu detesto axé, música da bundinha, show de pagode, axé e qualquer som que possa lembrar esses gêneros, não gosto de Babado Novo e nem de Cláudia Leite. Mas a mulher é muito legal. Adorei fazer a entrevista (que o Renato pediu para a Lídia fazer, que pediu pra mim). A Claudinha (sim, eu fiquei chamando a mulher de Claudinha sim) é muio simpática, divertida e engraçada. E, dentro do contexto, deu uma entrevista boa até. Contou um monte de novidades. O mérito mesmo é todo do Renato, que até me passou as pergunas pra fazer. E eu só me diverti muito na entrevista...

* E Feliz Aniversário pra Mariquinha. Hoje é o aniversário dela!

domingo, 19 de dezembro de 2004

Tudo bem! Santos campeão brasileiro em 2004. Assisti ao jogo contra o Vasco, um timeco que não serve pra nada mesmo. Nem pra atrapalhar um pouquinho o Santos e deixar a definição mais empolgante. Mas o Santos divide com o Atlético-PR o título de melhor equipe da competição. Qualquer resultado seria injusto. Só se houvesse duas taças e dois campeões haveria justiça. Mas uma coisa é certa: o Santos foi o time que mais tempo permaneceu na liderança ao longo do campeonato e foi o melhor ataque da competição. O Atlético-PR teve o artilheiro e recordista de gols no Brasileiro e foi super bem também. Perdeu o Dagoberto no meio, perdeu uns mandos de campo também (o Santos também perdeu muitos) e por aí vai. No final, a satisfação da consolidação dessa forma de disputa do Brasileiro: pontos corridos é sim a melhor coisa. Não fica a sensação de injustiça e o torneio ficou emocionante do mesmo jeito.

Fiz matéria do Goiás hoje e amanhã inicio a contagem regressiva para minha viagem para Itumbiara. Antes tenho que pagar a festinha de Reveillon, e para isso tenho que receber logo do jornal. Não fui na Mega Pulse e não fui no jantar do governador, mas fiz outra coisa legal. Legal, mas está me deixando com caraminholas na cabeça. Estava com vontade de escrever uns textinhos bonitinhos por aqui, mas estou sem inspiração. Também estou com vontade de fazer uma restrospectiva, mas só consigo lembrar dos eventos esportivos que aconteceram no ano. Não lembro nem do que aconteceu comigo. Mas vou tentar...

Faltam exatos 43 minutos para o início da emocionante rodada final do Brasileiro. Minha dúvida durante a semana toda foi: sair da redação para fazer matéria assistindo a um dos jogos mais importantes da rodada ou ficar na redação pra fazer matéria da pelada menos importante da rodada??? Queria ver mesmo o jogo do Atlético-PR. Com o controle remoto na mão para dar uma espiadinha no do Santos toda hora. Mas vou ver o jogo do Goiás contra o São Paulo mesmo. Mas a televisão fica encarregada de passar todas as informações né. Hoje vai ter uma super-mega-hiper produção no premiere e em todos os canais para cobrir a última rodada. Eu estou concentrada desde ontem, assisti a todos os programas esportivos de ontem à noite e hoje de manhã, li os jornais... Mas a decepção daqui a pouco deve ser grande. Santos deve ser confirmado o campeão, já que o Atlético-PR não deve conseguir o título, é impossível demais. Tão impossível que pode até acontecer... Esperar para ver! Eu estou pronta!!!!

Obs: O Itumbiara vai sim participar do Campeonato Goiano. Êêêêêêêêê...

terça-feira, 14 de dezembro de 2004

Trilha sonora do final de semana

" Vem meu amor
Passar o dia pertinho de mim
Só saia se bem logo for voltar
Te espero, estou disposto a dividir"

"Vou voltar de carona"

"E você ainda quer ser o meu amor"

"Nobody said it was easy"

"Eu preciso de alguém, que precise de alguém, que precise de amor"

Goiânia Noise na sexta e Itumbiara de sábado a domingo. Bom né? Estava de folga do
jornal. Pena ter perdido os shows de domingo do festival, mas foi bom ter ficado em
Itumbs também. Próximo fim de semana tem Mega Pulse, mas ainda não sei se eu vou. Estou meio com preguiça. Mas talvez a animação da Marica me contagie. Só penso nas festas de fim de ano, neste momento. Natal em Itumbs e Reveillon em festinha em Goiânia mesmo. Não atualiza isso aqui há muito tempo, mas vou tentar passar aqui mais vezes. É que o mundo está ao contrário: Atlético-PR perdeu a liderança do Brasileiro, não consigo emplacar uma boa matéria, meu primo talvez não poderá vir pra Itumbs no fim de ano, nunca vou ter uma chance com aquele gatinho lindo, talvez o Ronaldinho Gaúcho não vença a eleição de melhor do mundo, o Itumbiara não vai mais participar do Campeonato Goiano...

domingo, 5 de dezembro de 2004

Últimas descobertas: o Maldini jogou a vida toda no Milan e nunca defenceu qualquer outro time; O Diário é o jornal dos PPs - Paula Parreira, Polly Pádua e Pedro Palazzo; O FF pode significar Foo Fighters e Franz Ferdinand; a gente sempre acha lindo o vocalista da nossa banda preferida; na verdade, o Schevchenko pode ter mais chances que o Ronaldinho de ser escolhido o melhor do mundo; e açaí na tigela é muito bom.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2004

Eu odeio (simplesmente odeio) quando a vida não segue seu script. O script era: Brasil na final do Mundial, campeão mundial sobre a Espanha para devolver a derrota de 2000, o Falcão artilheiro da competição e eleito o melhor do mundo no dia 20, e todo mundo feliz. Quando a delegação voltasse para o Brasil, ou até mesmo lá na China, eu faria umas entrevistas com os hexacampeões mundiais, seria lindo e todo mundo ficaria mais feliz ainda. Mas tinha uma Espanha no meio do caminho logo na semifinal. Uma semifinal ganha, mas que chegou aos pênaltis e aí já viu... tudo pode acontecer. Até o Neto chutar a cobrança mais importante da vida dele no travessão. Brasil fora da final... Eu não gosto de filmes com finais surpreendentes assim...

Para mim, o ano acabou. Depois da decepção de hoje pode chegar o dia 31, passar o Reveillon, que nem vai ter mais graça este restinho de ano. Pode xingar neste blog? Porque eu tô com vontade de xingar todo mundo. Principalmente o juiz, o Javi Rodriguez, o Marcelo, o Índio, o Schumacher... O Neto não teve culpa. Bater aquele pênalti, precisando acertar depois da Espanha ter convertido a sua, não é nada fácil. O garoto tem só 23 anos e disputou seu primeiro campeonato mundial, brilhantemente diga-se de passagem.

Nem gosto de falar sobre arbitragem, porque já virou senso comum dizer que brasileiro adora botar a culpa no juiz. Mas o árbitro é um FDP de verdade. O Brasil jogou dez minutos do segundo tempo e mais dez minutos de prorrogação sem a marcação ideal porque não podia mais cometer faltas. O juiz já tinha marcado cinco e a partir da sexta todas as faltas são tiro de dez metros. Fala sério... Não tem como jogar assim. Mas o Brasil jogou e jogou bonito. Aí o Franklin defendeu um pênalti e o Índio foi lá e bateu a penalidade mais previsível da vida dele para o goleiro espanhol pegar. Depois das cinco cobranças obrigatórias, cada um tinha que fazer o seu. E a Espanha fez dois. O Neto tinha que fazer. Mas...

Meu nome hoje é frustração, decepção, injustiça, raiva, ódio, vontade de matar, tristeza, indiganação...